artista Daniel Caballero

atuação GROU. assessoria e produção organizacional em parceria a eventos, documentações e agenciamento.

O projeto é contínuo e deu início em junho de 2015.

O projeto Cerrado Infinito, é um trabalho de arte idealizado pelo artista Daniel Caballero, que tem como objetivo a construção de trilhas para caminhadas, feitas em áreas públicas, substituindo a vegetação (em geral gramados), e plantando espécies vegetais dos extintos
Campos de Piratininga.


Os Campos de Piratininga, foram uma paisagem campestre de cerrado escolhida pelos portugueses para ocuparem o planalto paulista e que deu nome à Vila de São Paulo de Piratininga. Posteriormente foram extintos com o desenvolvimento da cidade e esquecidos da
memória cotidiana.

No projeto, o artista faz expedições pela cidade como um artista viajante do séc. XVIII, e coleta plantas sobreviventes espalhadas em terrenos degradados e marginais do urbanismo, para replantá-las emoldurando a trilha que cresce semanalmente com ajuda voluntária. A trilha evoca a ocupação humana que gerou a cidade, produzindo um movimento contrário de reconstituição da paisagem natural e um debate crítico sobre a colonização e o modo de vida urbano.


No momento existem dois trechos, um maior localizado na Praça Homero Silva (Praça da Nascente) no bairro da Pompéia na Zona Oeste, com aproximadamente 220 metros, e outro menor na Escola Estadual Jardim das Camélias em Itaquera na Zona Leste, com 15 metros.

O projeto conforme se desenvolve cresce em outras frentes, o site Cerrado Infinito que publica artigos de biólogos, ativistas e artistas sobre os assuntos que a ação desperta, e uma cena artística que começa a se formar orbitando no Cerrado Infinito, e que se manifesta mais claramente em um evento esporádico chamado de DESCOLONIZATION!!!, usando a paisagem de cerrado como suporte.

IMG_3972.jpg